EXIBIDO EM 20/03/2021 / 16horas / youtube.com/mocoletivo

Dona Benta / Performance ao vivo.

Na medida em que um corpo da diáspora avança sobre territórios cada vez mais centrais e colonizados, ele se vê obrigado a suprimir o que o coloca à margem, os atravessamentos de sua origem periférica e de sua pele preta.

Dona Benta é uma performance na qual um corpo retinto se percebe impossibilitado de fugir da imposição do lugar racializado. O corpo sente e reage a essa violência extrema antes de qualquer possibilidade de conceitualização. Se estabelece, então, a transformação do território. Se exploram as possibilidades de agência/resistência a partir da manipulação da matéria que o violenta: a farinha, o embranquecer. A relação com o desenho, linguagem que vem sendo explorada por Almeida da Silva em contexto pandêmico, também ressignifica o trabalho através das linhas que se formam ao acaso, pelos movimentos com o corpo e pelo tensionamento de qualquer possibilidade de permanecer na margem.

Texto da Curadora Carolina Rodrigues.


Audiodescrição do trabalho


Almeida da Silva é graduande em artes visuais pela universidade federal do rio de janeiro, tem buscado por memórias, esquecidas e lembradas, vivas e mortas, pelos tempos e pelos encantos de compartilhar com seus ancestrais, do presente e do passado, as delícias de documentar, materializar e investigar, para o futuro, as dores e os prazeres de carregar esta carcaça e de muitos outros.