Trouxa de Ouro, Videoperformance / 2021 / Tempo: 4 min 30 seg. Câmera: Rezm Orah.

Lavar, sujar. Tecidos e corpos tecem relações com histórias passadas e presentes. A performer entrelaça ações comuns com a religiosidade afro-brasileira e as diversas histórias da arte. Sustentar uma trouxa sobre a cabeça remonta saberes, dores, fortalezas. Através do Atlântico carregamos a trouxa necessária para reconstruir as áfricas.

Mariana Maia (RJ, 1984) é Artista Visual e trabalha com diferentes linguagens. Desde 2011, vem desenvolvendo performances, fotografias, vídeos, objetos, pinturas e graffitis. Pesquisa arte afro-brasileira e a relação entre negritude, objetos e corpos femininos. Possui formação em História da Arte, com Mestrado em Artes pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ. Atua como professora de Artes da rede pública da cidade do Rio de Janeiro desde 2008. Realizou a exposição individual CoroAção (2019) na Galeria Desvio/ RJ. Nesse mesmo ano, participou também das exposições coletivas Raiz Comum (Centro Cultural Municipal Laurinda Santos Lobo), O Grito (Galeria Pence), Rios do Rio (Museu Histórico Nacional), Artes Aquáticas (Queimados). Atuou e roteirizou o filme curta metragem CoroAção (2019).