Pausa sem silêncio / Videoperformance 2020-2021 /Tempo: 30 min e 49 seg.

A paisagem composta por diversas camadas de construções, telhados, caixas d’água nos convoca a compartilhar virtualmente a presença do alto da laje. Uma câmera parceira de dança vasculha os detalhes, torce e inverte imagens. A lua tímida, a espada de São Jorge, um pagode funkeado a 150 bpm do som ao redor nos contam um pouco mais sobre esse corpo negro favelado. Corpo presente. A máscara, na medida em que oculta o rosto, revela, como num giro espiralar do tempo, as relações com a ancestralidade e o presente sufocado. Alvo de uma tinta branca que pesa sobre o corpo, o artista se banha, se limpa, deixa a água rolar, para novamente se expandir em dança pelo espaço.

Texto da Curadora Laís Castro.


Audiodescrição do trabalho


Ricardo Xavier, conhecido como Rick, 25 anos, cria e morador da favela da Maré, intérprete criador, coreógrafo, ator, performance, professor e produtor cultural. Atualmente bailarino da Lia Rodrigues Cia de danças mas que está parada e sem trabalho por conta da pandemia. Formado pela Escola Livre de dança da Maré e graduando em licenciatura em dança na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Idealizador e diretor do Coletivo Papo de Laje, Ativista e Militante pelos direitos e acessos dos corpos negros, favelados e LGBTQIA+, louco e eterno pesquisador do movimento e dos corpos. É do candomblé e umbanda, por isso acredita que nunca está só. Carrega consigo toda a ancestralidade que foi posteriormente vivida.